A alteração de padrões de mobilidade

A localização é fundamental para qualquer negócio. A localização certa pode determinar o sucesso ou insucesso de uma qualquer unidade.

No caso do retalho, a escolha da localização é ainda mais crítica! Qualquer negócio quer estar o mais próximo possível da procura, e com isso ganhar uma vantagem competitiva.

Mas se por um lado a escolha da localização pode constituir uma vantagem competitiva, também é verdade que a decisão de localização de alguns negócios tem o poder de criar novas centralidades e alterar comportamentos da população. É assim com a localização de novos hospitais ou unidades de saúde, polos industriais, centros comerciais, etc.

A 30 de Março de 2017 foi inaugurada a nova unidade IKEA de Loulé.

A abertura duma unidade com a configuração da loja IKEA, para além da própria atratividade inerente ao negócio, envolve investimentos e desenvolvimentos de vias e acessos na área de influência.

Qual o impacto desta abertura na mobilidade?

Para percebermos de forma sumária este impacto, fomos analisar o tráfego automóvel num raio de 3km da nova loja em dois períodos: o primeiro trimestre de 2017 (antes da abertura), e o primeiro trimestre de 2018 (já este ano, praticamente com um ano de atividade da loja).

Recorrendo aos dados estatísticos de tráfego automóvel TomTom, um primeiro impacto foi o aumento de tráfego. Do primeiro trimestre de 2017 para o primeiro trimestre de 2018 o tráfego automóvel aumentou 61%, significando cerca de mais 15.700 veículos diários em média nesta área de influência com um raio de 3km.

Nas imediações (cerca de 1km) da Loja, o IC4 aumentou o seu tráfego em 34% (mais 2300 veículos por dia), enquanto a Via do Infante de Sagres teve uma diminuição de cerca de 10% (menos 1050 veículos por dia).

Todavia, o aumento de tráfego não foi o maior impacto! O maior impacto foi a profunda e significativa alteração do padrão de mobilidade!

Efetivamente, não foi nas principais vias que se viu o maior crescimento, mas sim no ganho de importância de vias que em 2017 tinham um peso pouco relevante ou negligenciável na mobilidade e no tráfego da zona.

Vias como a Variante São Lourenço-Troto ou a EN125-4 mais do que duplicaram a procura de tráfego. Em oposição, a EN530-3 perdeu cerca de 32% do tráfego. Esta alteração de tráfego resultou num saldo de mais de 2000 veículos por dia.

Mais relevante ainda é o facto da criação desta nova centralidade fazer emergir vias como a Estrada do Matadouro, a EM521-1 ou o Caminho dos Eucaliptos, que de vias inexistentes ou insignificantes em 2017 passaram a figurar no top 10 de vias da zona.

Com a abertura da loja, as alterações são significativas tanto a nível de tráfego como a nível do padrão de mobilidade. Gostava de saber o impacto da sua loja na mobilidade? Contacte-nos

Fonte: TomTom Global Content B.V., dados de tráfego automóvel raio 3km IKEA Loulé, Q1-2017,Q1-2018.