Um outro campeonato da segunda circular

Quem conhece Lisboa sabe que a segunda circular é uma eixo fundamental na rede viária da capital. O tráfego automóvel é intenso ao ponto do abastecimento ser garantido por 6 estações de serviço em 3 áreas – Pela Galp na zona do Ralis e pela Repsol em duas outras na zona do Radar do Aeroporto e na zona da Luz-Fonte Nova.

Que marca ganha neste campeonato da localização?

Do tráfego que acedeu às estações de serviço:

  • A Galp tem uma quota de 26%,
  • A Repsol na zona do Radar do Aeroporto tem uma quota de 51%.

Existem comportamentos diferentes ao longo do dia?

  • A Galp tem 81% do seu tráfego nos períodos das 7 às 11h e das 16 às 20h;
  • No mesmo período, a Repsol na zona da Luz-Fonte Nova tem 92% do seu tráfego;
  • Já as estações no Radar do Aeroporto (Repsol) no mesmo período horário têm apenas 52% do seu tráfego. Esta zona (Radar do Aeroporto) tem uma maior dispersão de tráfego ao longo do dia em oposição às estações que estão no início e no fim da segunda circular.

Existem outras conclusões interessantes para os períodos das 7 às 11h e das 16 às 20h?

  • Nestes períodos a Galp sobe a sua quota em 5 pontos percentuais para 31%;
  • Ao final do dia (16-20h) a Galp sobe o seu tráfego em 21% quando comparado com o período da manhã (7-11h).

E como pode a Galp aumentar tráfego à tarde e manter a mesma quota em ambos os períodos?

  • Porque existe um trade-off entre o Radar do Aeroporto e a zona da Luz-Fonte Nova, ambas da Repsol!
  • No período da manhã o tráfego na estação de serviço do Radar do Aeroporto é “canibalizado” pela estação da Luz-Fonte Nova – a quota da primeira desce para 35%, enquanto a quota na Luz-Fonte Nova sobe para 34%. À tarde dá-se o movimento inverso (subindo o Radar do Aeroporto para 42% e descendo a Luz-Fonte Nova para 27%).

Conclusão:

Numa distribuição equitativa cada zona teria uma quota de 1/3.

A Galp (com uma única e a segunda melhor zona) pode dizer que está alinhada com estes valores se falarmos nas horas de ponta! Seja à entrada ou à saída de Lisboa, os números de tráfego dizem que os seus valores não se afastam significativamente do ponto de vista estatístico de 1/3 do mercado da segunda circular.

Já a Repsol tem outros dados para pensar – se é verdade que lidera (com duas zonas) e que tem uma super-localização (o Radar do Aeroporto), também não deixa de ser pertinente a “canibalização” provocada pela estação da zona da Luz no período da manhã (que não afecta a performance da Galp).

Como será no resto do país? E no seu caso?

 

Fonte de Dados:

- TomTom Global Content B.V.

- Intervalo de Dados: Dias úteis entre o dia 01-04-2017 e o dia 31-05-2017 / Franjas horárias 07:00 – 11:00; 16:00 – 20:00; e 00:00 – 23:59

- Objeto: Vias de Acesso às Estações de Serviço da Galp na zona dos Ralis, Repsol na Zona do Radar do Aeroporto e zona da Luz-Fonte Nova

Autoria:

Uma análise da responsabilidade da PSE- Produtos e Serviços de Estatística Lda (2017).

A PSE comercializa os dados e estatísticas de tráfego TomTom Global Content B.V. desde 2017 no âmbito do acordo de parceria comercial com a Municipia SA.”