A mobilidade está a normalizar-se, mas com uma redução de 17% no tempo gasto em hora de ponta

Em setembro, no atual contexto “quase pós-pandémico” caracterizado pelo fim da maioria das restrições, o regresso de férias e o início do ano lectivo é possível observar um regresso à normaliade na mobilidade, mas também novas tendências que estão a construir, finalmente, um novo normal pós-pandémico. O teletrabalho é hoje um novo fator muito relevante, sobretudo na região da Grande Lisboa. Em junho, julho e inicio de setembro havia 11% da população em teletrabalho mas não contando com as pessoas que estavam de férias nessa altura. Teremos ainda de ver se em Outubro esta percentagem se mantêm, bem como as restantes alterações, hoje visiveis, se irão manter, ou não.

 

O que a consultora PSE, por via do seu Painel de Mobilidade,  e considerando a informação de 6 a 20 de Setembro, pode indicar sobre a nova mobilidade, resume-se nos seguintes cinco pontos:

  1. As horas de ponta diárias voltaram mas estão menos severas, permitindo deslocações que são em média 17% mais rápidas. Em particular na Grande Lisboa e no Grande Porto há alguns dias onde as deslocações pendulares em veiculos ligeiros se fazem em 50% do tempo gasto antes da pandemia, durante as horas de ponta, nos dias úteis.
  2. Há um aumento ligeiro do tráfego nos periodos tradicionalmente “de vazio”, ou seja entre as 10h30 e as 12h30 e entre as 15h e as 17h. O que mostra uma maior flexibilidade da mobilidade.
  3. Cresceu em 6% o número de portugueses que se desloca, pelo menos uma vez nos dias úteis, em viatura automóvel particular, comparativamente a 2019. Mas em termos de volume do tráfego diário, nos dias úteis, houve uma redução de 16,5%, em número diário de pessoas a usar automóvel. Ou seja, nem todos os dias é usado.
  4. A audiência dos suportes de Publicidade Exterior (Outdoors), que depende fortemente da mobilidade, recuperou e está já praticamente ao mesmo nível da audiência (GRP’s) pré-pandemia. Mas agora este valor é obtido por vias diferentes. Isto porque há 28% dos concelhos onde se verifca um claro aumento da audiência Outdoor face à sitação pré-covid. E, por outro lado, há 42% dos concelhos onde a audiência do Outdoor ainda não recuperou totalmente.
  5. O índice global de mobilidade da PSE diz-nos que a mobilidade dos portugueses está praticamente igual ao valor pré-pandemia de setembro de 2019. (Indice 94 vs. 95)

 

Em conclusão, parece evidente que a mobilidade dos portugueses está em clara normalização, mas apresenta diferenças e transformações. Está, no momento, mais fluida e mais rápida. Antes da pandemia seria difícil de imaginar um qualquer processo que conseguisse tornar as viagens 19% mais rápidas (e muito menos 50%), nas grandes metropoles. Afinal existe e chama-se teletrabalho. Importa monitorizar o que acontecerá em Outubro, mês que já irá permitir entender que comportamentos de mobilidade vieram mesmo para ficar e que comportamentos desaparecerão.

 

O estudo sobre a audiência da Publicidade Exterior afere a audiência de 53 mil faces publicitárias pertencentes a cinco operadores diferentes, situadas em mais de 50 mil localizações distintas. Nesse sentido é também um excelente barómetro para afeir as transformações na mobilidade. Se compararmos a audência produzida em cada concelho, em regime “like For like”, o quer dizer com estabilidade na geografica das posições contabilizadas, conseguimos concluir que houve concelhos onde audiencia aumentou e outros onde se reduziu. E claro, concelhos onde existiu estabilidade dos valores. Tipicamente os concelhos onde a audiencia aumentou são concelhos limitroves à cidade de Lisboa ou do Porto, com um perfil mais residencial. Teremos de esperar pelos resultados do fim de Setembro e sobretudo pelo mês de Outubro para entender se estas tendências desaparecem ou se consolidam.

 

É importante recordar que Portugal apenas começou a ter um estudo oficial para medir as audiências da Publicidade Exterior – acreditado pela CAEM – desde janeiro de 2021. Este estudo e produzido e desenvolvido pela PSE, fruto de um trabalho inovador que durou quatro anos.

 

 

Nota Metodológica

A PSE é uma empresa especialista em Data Science e Pesquisa Avançada que está no mercado desde 1994.

 

INTRODUÇÃO:

Este estudo produz, desde 2019, dados que são aplicados, sobretudo, na aferição de audiência da publicidade exterior, mas também para auxiliar as câmaras municipais no ordenamento do território e na gestão de mobilidade e dos transportes. E ainda em estudos comportamentais de mobilidade e de “shopper”, para outras empresas e entidades. Os dados são continuamento produzidos, dia após dia.

 

NOTA TÉCNICA:

Este estudo é o painel da PSE, com recolha de dados contínua através de monitorização de localização e meios de deslocação via aplicação móvel de um painel de 3670 indivíduos representativos do Universo com mais de 15 anos, residente nas regiões do Grande Porto, Grande Lisboa, Litoral Norte, Litoral Centro e Distrito de Faro. Este estudo implica uma APP instalada nos telemóveis da amostra participante. Assim monitorizamos a deslocação real da população, em cada hora do dia. Este estudo é realizado 24 horas por dia. Os dados são obtidos de forma rigorosa, via GPS e com o consentimento da amostra monitorizada. Para um universo de 6.996.113 indivíduos residentes nas regiões estudadas a margem de erro imputável ao estudo é de 1.62% para um intervalo de confiança de 95%.