Estudo de Audiências de Outdoor arranca no final do semestre

Artigo da Meios & Publicidade sobre estudo de audiências de Outdoor.

Ler mais

A Black Friday e o Centro Comercial Colombo

Impacto da Black Friday 2018 no Centro Comercial Colombo.

Ler mais

A alteração de padrões de mobilidade

Se por um lado a escolha da localização pode constituir uma vantagem competitiva, também é verdade que a decisão de localização de alguns negócios tem o poder de criar novas centralidades e alterar comportamentos da população. É assim com a localização de novos hospitais ou unidades de saúde, polos industriais, centros comerciais, etc.

Ler mais

Qual é o melhor dia para viajar – 31 de Julho ou 1 de Agosto?

O mês de Agosto sempre foi por excelência um mês de férias. Com o início das férias, qual o melhor dia para viajar? 31 de Julho ou 1 de Agosto?

Para perceber o comportamento nestes dias, fomos analisar 3 das principais saídas e entradas em Lisboa nestes dias: a A1, a Ponte Vasco da Gama e a Ponte 25 de Abril.

O fim das férias!

Analisando em primeiro lugar as entradas em Lisboa, das 3 vias, a principal via de entradas e saídas de Lisboa é a Ponte 25 de Abril. Nesta via entraram e saíram mais de 80 mil veículos em cada um dos dias. Foi esta a via que verificou maior diferença de entradas em Lisboa no dia 31 face a 1 de Agosto. No caso, no dia 31 de Julho entraram em Lisboa pela 25 de Abril mais 3.158 veículos do que no dia 1 de Agosto (mais 4%). Nas restantes vias não se verificaram diferenças significativas nas entradas em Lisboa nestes dois dias.

O início das férias!

Mas Agosto é muito mais um mês de início de férias do que de fim de férias! Nesse sentido, esperar-se-á um maior volume de saídas do que entradas em Lisboa!

No caso das saídas de Lisboa, na 25 de Abril não se verificaram diferenças entre o dia 31 e o dia 1 de Agosto de 2018. Se no dia 31 de Julho saíram cerca de 81.737 veículos, no dia 1 de Agosto saíram 81.447. Uma diferença negligenciável. De idêntica forma, as diferenças de saídas de Lisboa pela A1 também foram modestas: no dia 1 de Agosto saíram mais 1.447 (mais 3%) do que no dia 31 de Julho.A grande diferença comportamental nestes dois dias verificou-se na Vasco da Gama! No dia 1 de Agosto saíram de Lisboa mais 9.500 veículos (mais 20%) do que no dia 31 Julho! Se compararmos as saídas de Lisboa no dia 1 de Agosto face a um dia normal (face à média diária anual), é também nesta ponte que vemos a maior diferença – na Vasco da Gama no dia 1 de Agosto as saídas são quase o dobro de um dia normal (mais 94%), na 25 de Abril mais 43%, e na A1 mais 36%.

Claramente, Agosto continua a ser um mês de férias, e os destinos a Sul continuam a marcar a preferência dos Lisboetas. Ainda assim, para quem começa as férias a 1 de Agosto, qual é o melhor dia para viajar? O 31 de Julho…

Fonte: TomTom Global Content B.V., dados de tráfego automóvel A1, Ponte 25 de Abril, Ponte Vasco da Gama, 31 de Julho e 1 de Agosto de 2018.

Obras na 2ª Circular em Lisboa

A 2ª Circular é um dos principais eixos viários de Lisboa No dia 10 de Julho de 2018 iniciaram-se obras na rede de abastecimento de águas que segundo a EPAL poderiam provocar “fortes condicionamentos no trânsito na 2ª circular entre a Escola Alemã e a Estrada da Luz”.

Para percebermos o impacto desta intervenção, fomos analisar o tráfego da segunda circular nos dias de Junho e Julho de 2018.

O tráfego médio diário não variou significativamente olhando para toda a extensão da 2ª Circular. Se em Junho foram observados cerca de 107.320 veículos, em Julho foram observados 106.453. A circulação não variou significativamente olhando para este eixo viário na sua totalidade. Nem em termos de velocidade média, nem em termos de deslocação.

Efectivamente, e tal como previsto inicialmente pela EPAL, o principal impacto verificado em Julho foi no sentido Aeroporto-Pina Manique, e no segmento entre o Campo Grande e a saída para o Eixo Norte-Sul. Neste caso, as obras tiveram três impactos significativos: a diminuição de tráfego médio diário (menos 23% de veículos em Julho neste segmento); a redução da velocidade média em 54% (de 55.3 km/h em Junho para 25.4 km/h em Julho); e um aumento de mais do dobro do tempo para percorrer este segmento (mais 118% de tempo).

Se é verdade que sendo um segmento de cerca de 2 km de extensão o impacto no tempo são alguns minutos, por outro lado é importante referir que a velocidade média é diária, isto é, a média para diferentes horas do dia. Existem obviamente horas de maior impacto no tráfego automóvel. Gostaria de saber mais? Contacte-nos.

Fonte: TomTom Global Content B.V., dados de tráfego automóvel sublanço 2ª circular, Junho e Julho de 2018.